Ir para o conteúdo

Cejusc da 17ª Região (ES) promove audiência de conciliação com reclamante no exterior - CSJT2

Aplicações Aninhadas

Publicador de conteúdo web (Global)

Publicador de conteúdo web (Global)

Aplicações Aninhadas

Publicador de conteúdo web (Global)

Publicador de conteúdo web (Global)

Publicador de conteúdo web (Global)

Publicador de conteúdo web (Global)

NOTÍCIAS
 

Publicador de Conteúdos e Mídias

null Cejusc da 17ª Região (ES) promove audiência de conciliação com reclamante no exterior

A participação da parte autora foi possível graças à realização da audiência por meio de videoconferência.

O Centro de Conciliação (Cejusc) do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) promoveu, na última sexta-feira (19/6), audiência de conciliação de um processo cuja trabalhadora reside atualmente nos Estados Unidos. A participação da parte autora foi possível graças à realização da audiência por meio de videoconferência, com o uso do aplicativo Microsoft Teams.

A audiência, que terminou em acordo, foi supervisionada pela juíza Ana Paula Rodrigues Luz Faria e teve como conciliadora Denise Lima Faria Francischeto. Além da reclamante, Giovanna Faria dos Santos, e sua advogada, Amabile Biancardi Augusto Fernandes, estava presente a parte reclamada, Nassau Editora Rádio e TV LTDA, na pessoa de Luciana Mara Depiante, acompanhada de seu advogado, Vinicius Lima Lopes Wanderley.

A empregada alegou, na ação, que foi admitida para trabalhar como repórter no início dos anos 1990. Em 2011, passou a exercer função gratificada, no cargo de editora. Após tomar conhecimento de que estava grávida de gêmeos, solicitou licença não remunerada pelo período compreendido entre 02/09/2015 e 03/07/2016, isentando a empresa de quaisquer responsabilidades pela suspensão temporária do contrato de trabalho.

O pedido foi justificado em razão da gravidez de risco e o desejo de que os bebês nascessem nos Estados Unidos, local onde residia o cônjuge da reclamada. Entretanto, ao voltar para o Brasil e retomar às atividades em julho de 2016, a empresa a destituiu da função gratificada e ela reassumiu o cargo de redatora em 04/07/2016. Dois meses mais tarde, foi dispensada sem justa causa. Após a demissão, a reclamante protocolizou pedido de pagamento de salário maternidade no INSS, mas foi indeferido.

Em virtude dessa sequência de acontecimentos, a reclamante alegou à Justiça do Trabalho que houve alteração in pejus do contrato de trabalho, isto é, modificação para pior, sem a sua anuência. Pleiteou, então, indenização por danos morais e indenização do salário maternidade.

Na audiência de conciliação, ficou acertado que a empresa pagará à trabalhadora a importância líquida de R$ 73.676,06, com a liberação do depósito recursal no valor de R$ 29.761,43, por meio de Alvará, e o remanescente de R$ 43.914,63 em 15 parcelas iguais de R$ 2.927,64.

Fonte: TRT da 17ª Região (ES)

Conciliação Trabalhista - Início - Banner Publicidade

Aplicações Aninhadas

Aplicações Aninhadas

Conciliação Trabalhista - Início - Rodapé Banner 1

Conciliação Trabalhista - Início - Rodapé Banner 2

Conciliação Trabalhista - Início - Rodapé Banner 3