Pular para o conteúdo

Resultado da última etapa do Concurso para a Magistratura trabalhista sairá no dia 20

A vista dos títulos (consulta individual) estará disponível nos dias 21 e 22/11 e, nestas mesmas datas, os candidatos poderão interpor recurso quanto à pontuação obtida.

Oitava Sessão Ordinária de 2018 do CSJT está agendada para sexta-feira (23/11)

A 8ª Sessão Ordinária do CSJT terá início às 9 horas, será aberta ao público e terá transmissão ao vivo pelo YouTube do Conselho.

Acordo entre MPT e Pirâmide Palace Hotel é destaque no programa Conciliando

O programa "Conciliando" é uma produção da Comissão Nacional de Promoção à Conciliação, ligada à Vice-Presidência do CSJT, em parceria com a Rádio TST

CSJT realiza II Encontro de Fomento ao Desenvolvimento do PJe

O evento ocorrerá no edifício sede do Tribunal Superior do Trabalho, com início previsto para às 14h da quarta-feira (21) e término para às 16h da sexta-feira (23).

CSJT promove curso de Implantação e Gerenciamento de Memórias na Justiça do Trabalho

O curso será realizado à distância e se destinará a 30 servidores da Justiça do Trabalho de todo o país

CSJT realiza seminário sobre desafios da gestão de documentos arquivísticos digitais

O palestrante apresentou questionamentos, propostas e considerações finais, conclamando os ouvintes a compreender e aceitar as novidades

 

 
NOTÍCIAS DOS TRTs

Voltar

Confirmado desconto no salário de empregados de greve considerada abusiva

 

A 5ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) manteve sentença da 2ª Vara do Trabalho de Tubarão que reconheceu abusiva a greve dos empregados da Caixa Econômica Federal (CEF) diante da motivação política da paralisação, considerando legal o desconto no salário dos trabalhadores. O fato ocorreu no dia 28 de abril de 2017 quando os empregados da CEF aderiram à paralisação nacional, denominada "greve geral”, contra as Reformas Trabalhistas e Previdenciárias propostas pelo Governo Federal.

Por entender que houve abusividade, a CEF procedeu o desconto no salário dos empregados referente a um dia de trabalho, considerando como falta injustificada ao serviço. Para a Caixa, os descontos estavam amparados no fato de não haver qualquer reivindicação específica para a categoria, havendo, inclusive, acordos coletivos vigentes. O banco informou ainda que avisou previamente aos gestores das unidades sobre o desconto nos salários.

Por conta disso, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Tubarão e Região ingressou com uma ação alegando ilegalidade do desconto e pedindo a devolução dos valores, bem como a retificação no registro de ponto dos trabalhadores. No entanto, para a juíza Camila Torrão Britto de Moraes Carvalho, que julgou o processo, o caso em questão não se tratava de greve propriamente dita, mas sim de adesão à paralisação nacional, conforme reconheceu o próprio sindicato quando disse que o objetivo da paralisação era “defender e resguardar os direitos dos trabalhadores, por meio de um movimento justo e democrático, diante das atuais reformas trabalhista e previdenciária em trâmite no Congresso Nacional”.

Diante disso, a juíza Camila classificou a greve como abusiva e entendeu que “a manifestação não guarda relação com reivindicações processadas em face do empregador, visando a melhoria das condições de trabalho, e por mais justa que possa parecer a "greve" com motivação política, a paralisação dos serviços dela decorrente é considerada abusiva (art. 14, da Lei n 7.783/1989). Isso porque, o empregador, maior prejudicado com a paralisação das atividades, sequer dispõe de poder de negociação para dirimir a controvérsia”, concluiu.

A Constituição de 1988, em seu art. 9º, assegura o direito de greve, no entanto, a própria Constituição (art. 114, § 1º) e a Lei n 7.783/1989 (art. 3º) fixam requisitos para o exercício do direito de greve, sendo que a inobservância de tais requisitos constitui abuso do direito de greve (art. 14 da Lei nº 7.783).

O sindicato recorreu ao Tribunal, sustentando que a greve foi legítima e que se caracteriza como instrumento fundamental na busca por melhores condições de trabalho. Ao analisar o caso, a desembargadora Maria de Lourdes Leiria, relatora do acórdão, reafirmou a jurisprudência do TST que considera a greve abusiva diante do caráter explicitamente político da motivação. “As repercussões sociais negativas trazidas pelas Reformas Trabalhista e Previdenciária são reivindicações estranhas ao contrato de trabalho e estão fora do alcance de negociação coletiva da ré”, reforçou a desembargadora, que entendeu correto o desconto do dia não trabalhado do salário. A decisão da juíza foi mantida por unanimidade.

Fonte: TRT 12