Pular para o conteúdo

CSJT tem horário especial durante o mês de julho

  Em razão das férias coletivas dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST), previstas no artigo 66, parágrafo 1º, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), de 2 a 31 de...

CSJT lança nova versão do PJe da Justiça do Trabalho

A versão 2.2 do sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe) terá, a partir de agora, o nome de “Ipê”. As novas versões que surgirem receberão nomes de árvores brasileiras consideradas nobres

TRT da 14a Região abre concurso público para analista nas áreas de Psicologia e Estatística

A remuneração inicial é de R$ 11.006,83. As inscrições podem ser feitas até as 14h do dia 20 de julho de 2018 (horário de Brasília), no site da Fundação Carlos Chagas, organizadora do certame. O...

Acordo entre TST e Casa da Moeda é destaque no Conciliando

No quadro de entrevistas, o coordenador do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Mossoró (RN), juiz Magno Kleiber Maia, falou sobre a política de conciliação no TRT da...

Ministro Ives Gandra tem foto inaugurada na galeria de presidentes do CSJT

É uma satisfação que tenho em deixar mais este registro com a fotografia do ministro Ives Gandra Filho na galeria. Essa galeria serve para as futuras gerações não se esquecerem dos serviços...

Posse de conselheiro e anulação de ato que transferia Vara do Trabalho marcam sessão do CSJT

O CSJT declarou a nulidade da Resolução Administrativa nº 98/2017, do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região, que havia determinado a transferência da sede da Vara do Trabalho de Corrente (PI)...

Assista à 4a Sessão Ordinária do Conselho Superior da Justiça do Trabalho de 2018

Assista, ao vivo, à 4ª Sessão Ordinária do Conselho Superior da Justiça do Trabalho de 2018. Reunião se reunirá às 14h desta segunda-feira, 25 de junho

 

 
NOTÍCIAS DOS TRTs

Voltar

Empresa de transportes não é responsabilizada por fofoca sobre orientação sexual de funcionária

 

A Primeira Turma do TRT de Goiás não reconheceu a rescisão indireta do contrato de trabalho requerida por vendedora do Sindicato das empresas de transporte coletivo urbano de passageiros de Goiânia (Setransp) sob a alegação de ter sido vítima de fofocas no ambiente de trabalho sobre sua orientação sexual. A Turma julgadora considerou que não houve provas robustas de prática de falta grave pela empresa e decidiu manter a sentença do juízo da 9ª Vara do Trabalho de Goiânia, que negou os pedidos da trabalhadora.

A vendedora foi contratada pelo Setransp para ocupar o cargo de vendedora folguista nos terminais da empresa na cidade de Goiânia. Conforme os autos, após a funcionária ter faltado um dia de trabalho para levar seu tio ao médico, devido a uma emergência, o seu superior hierárquico a questionou se ela tinha um relacionamento com outra colega de trabalho, a qual também havia faltado ao trabalho no dia seguinte, quando a autora estava de folga. Indignada com o questionamento do supervisor sobre sua vida privada e com a inércia da empresa quanto à propagação da “fofoca”, a vendedora pediu na justiça a rescisão indireta do contrato de trabalho, conforme art. 483, alínea “e” da CLT, e indenização por danos morais.

O relator do processo, desembargador Welington Peixoto, afirmou que, para que ficasse caracterizada a falta grave da empresa, apta a ensejar a ruptura contratual pela via indireta, a funcionária deveria comprovar de forma induvidosa que esse boato surgiu (ou espalhou-se) por culpa ou dolo da empregadora e de seus prepostos. Em sua defesa, o Setransp negou os fatos narrados pela funcionária e sustentou que ainda que tal pergunta tenha sido feita, não ocorreu de modo desrespeitoso.

Segundo o relator, não houve produção de nenhuma prova testemunhal nos autos e, pelo teor da conversa gravada pela autora, não foi possível perceber qualquer abuso praticado pelo preposto da empresa. “A conversa gravada pela autora evidencia apenas que o supervisor procurou a reclamante para pedir-lhe cautela com o intuito de evitar justamente que qualquer fofoca a respeito de sua vida privada viesse a público no ambiente de trabalho”, considerou, concluindo que o intuito do supervisor era justamente evitar fofocas a respeito da vida pessoal da obreira e preservar-lhe a honra.

Welington Peixoto entendeu, além disso, que não se pode imputar ao empregador a responsabilidade por todo e qualquer boato ou fofoca que surja no ambiente de trabalho. Portanto, não provado o justo motivo para a rescisão indireta do contrato de trabalho, ficou reconhecida a demissão a pedido da empregada, em face da sua manifesta intenção de dar fim ao contrato de trabalho, e o pedido de indenização por danos morais foi indeferido.

Fonte: TRT 18