Pular para o conteúdo

Escola de Samba e TRT da 8ª Região se unem em enredo contra o trabalho infantil

Dia 23 de fevereiro, sábado, em Belém (PA) pela primeira vez uma escola de samba do primeiro grupo levará o tema do trabalho infantil para a avenida

CSJT define horário de expediente durante o Carnaval

Não haverá expediente no CSJT nos dias 4 e 5/3/2019. No dia 6/3, o funcionamento será das 14 às 19h.

Justiça do Trabalho começa a preparar a 5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista

5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista 2019 será realizada na a última semana de maio (27 a 31).

Cronograma define nomeação dos aprovados no Concurso para a Magistratura do Trabalho

Cronograma de divulgação inclui edital de convocação para a audiência de escolha da região de lotação, a ser realizada em 13/3 (quarta-feira), às 9h, no edifício-sede do Tribunal Superior do...

Abril Verde: campanha visa à conscientização e à prevenção de acidentes de trabalho

Anualmente, o número de vítimas de acidentes chega a oito ou nove vezes o de Brumadinho. A questão é que os acidentes não ocorrem de uma vez, mas espaçados durante o ano.

Prevenção de acidentes de trabalho mobiliza instituições no Abril Verde

  TST sediou reunião preparatória envolvendo parceiros do programa Trabalho Seguro Representantes de diversas instituições se reuniram, na última sexta-feira (15), no Tribunal...

 

 
NOTÍCIAS DOS TRTs

Voltar

Mãe social que trabalhou para Ampare não terá direito a horas extras

 

A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO) negou provimento ao recurso de uma mãe social que trabalhou para a Associação de Mães, Pais, Amigos e Reabilitadores de Excepcionais (AMPARE), em pedido de pagamento de horas extras. A trabalhadora alegava ter trabalhado em sobrejornada sem a devida contraprestação, mas a Turma entendeu que a atividade de cuidadora se enquadra na Lei 7.644/87, que não prevê pagamento de horas extras diante da incompatibilidade, em virtude da natureza especial do trabalho.

O pedido já havia sido indeferido pela 5ª Vara do Trabalho de Brasília. Na reclamação trabalhista, a cuidadora afirmou que cumpria jornada, de segunda-feira a sábado, das 8h às 20h, sem intervalo e sem que tenha recebido qualquer pagamento pelo trabalho em sobrejornada. Já a Ampare disse que a trabalhadora tinha jornada de trabalho diferenciada das 8h às 19h em razão das suas atribuições como mãe social e da natureza da instituição. A entidade garantiu que sempre foi assegurado à trabalhadora o descanso semanal de 24 horas previsto em lei. Em defesa, a associação pediu a devolução dos valores recebidos a mais pela trabalhadora a título de verbas rescisórias.

TRT

A trabalhadora interpôs recurso para o TRT10 buscando reformar a sentença da 5ª Vara ao argumento de que a representante da entidade não apresentou no processo os registros de horário. Disse ainda que as cláusulas 15 e 16 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) estabelecem jornada de trabalho às instituições beneficentes e criam sistema de compensação de horário. Segundo ela, isso não foi observado pela Ampare.

Para o relator, desembargador José Leone Cordeiro Leite, a atividade da cuidadora se enquadra na Lei 7.644/87, a qual prevê o repouso semanal remunerado de 24 horas consecutivas. “O artigo 6º da lei diz que o trabalho desenvolvido pela mãe social é de caráter intermitente, realizando-se pelo tempo necessário ao desempenho de suas tarefas”, destacou.

Em relação à CCT, o magistrado esclareceu que essa também não ampara o direito da trabalhadora, uma vez que existe apenas observação quanto às diferentes jornadas testadas para mãe social, com remissão à observação da lei específica quanto à jornada. “Não existe na CCT obrigação de jornada diversa da legal à função de cuidadora/mãe social”, concluiu.

Por unanimidade, a Terceira Turma negou provimento ao recurso da trabalhadora, que poderá ainda recorrer da decisão.

Fonte: TRT 10