Pular para o conteúdo

Justiça do Trabalho inicia mutirão para solucionar processos durante fase de execução

. As unidades judiciárias intensificaram hoje o rastreio e bloqueio de bens, leilões e outras ações para garantir o pagamento de dívidas trabalhistas nos processos em fase de execução, ou seja,...

CSJT promove capacitação e aprimoramento de magistrados e servidores durante a Semana da Execução

As aulas podem ser assistidas pelo YouTube do CSJT, em link restrito, enviado a magistrados e servidores da Justiça do Trabalho

CSJT disciplina procedimentos na área de gestão de pessoas para reter talentos

As condutas visam à melhoria do índice IGovPessoas dos órgãos da Justiça do Trabalho de 1º e 2º graus.

Acordo entre MPT e banco Lage Landen Brasil é destaque no Conciliando

O juiz do Trabalho Rogério Neiva responde se é possível fazer acordo na fase de execução no quadro “Dica do Dia”

Gestores do Programa Trabalho Seguro discutem assédio moral e cultura de paz e tolerância

O encontro é preparatório para a reunião com os gestores nacionais e regionais, que ocorrerá na próxima semana (26/9), e para o seminário internacional programado para o próximo ano

CSJT define a data da 6ª Sessão Ordinária

Prevista para iniciar às 16 horas, a sessão será transmitida ao vivo pelo YouTube do Conselho
0,00
Valor atualizado às 8h do dia 20/09
10.427
R$ 527.512.347,47
366
R$ 45.313.547,81
7300
R$50.863.004,00
TRT's de Grande Porte – 1º Lugar: TRT 15 , 2º Lugar: TRT 3 , 3º Lugar: TRT 1 --------- TRT's de Médio Porte – 1º Lugar: TRT 6 , 2º Lugar: TRT 12 , 3º Lugar: TRT 8 --------- TRT's de Pequeno Porte – 1º Lugar: TRT 14 , 2º Lugar: TRT 21 , 3º Lugar: TRT 23    

 

 
NOTÍCIAS DOS TRTs

Voltar

Trabalhadora contaminada por agrotóxicos vai receber indenização por danos morais

 

Uma trabalhadora agrícola que prestava serviço em lavoura de cana de açúcar teve reconhecido o direito à indenização por danos morais, no importe de R$ 10 mil, em razão de acidente de trabalho por intoxicação com agrotóxicos. A Segunda Turma, por maioria, reformou a sentença da 2ª VT de Rio Verde, que havia negado o pedido.

O caso aconteceu em uma fazenda de Turvelândia, sudoeste do Estado, em abril do ano passado. A trabalhadora relatou que, ao chegar ao campo de trabalho para a retirada do colonião das lavouras de cana-de-açúcar, ela e outros funcionários começaram a “passar mal”, apresentando vômitos, ardência nos olhos, taquicardia e hipertensão. Conforme os autos, o veneno foi aplicado nos dias 26 e 28 de março e os trabalhadores voltaram ao campo mais de dez dias depois (7 de abril).

No primeiro grau, o Juízo da 2ª VT de Rio Verde levou em consideração que a empresa respeitou o prazo descrito nas bulas dos venenos para reentrada de pessoas na cultura e áreas tratadas, que é de 24 horas após a aplicação ou após a secagem completa. Além disso, prestou auxílio e assistência médica aos trabalhadores que passaram mal. Assim, entendendo que não houve nexo causal entre a conduta do réu e o dano, julgou improcedente o pedido de indenização por danos morais.

No recurso ao Tribunal, a obreira alegou que a sentença não havia levado em conta que outros oito trabalhadores que estavam na mesma frente de trabalho, exercendo a mesma atividade, foram atendidos pelo médico com os mesmos sintomas. Ela sustentou que o laudo médico atestou a ocorrência de intoxicação por agrotóxico e que, mesmo que a empresa tenha cumprido o prazo prescrito pelos fabricantes, esse lapso temporal não foi suficiente para evitar que ela e os demais empregados fossem afetados.

O relator do processo, desembargador Eugênio José Cesário Rosa, destacou inicialmente que não há dúvidas quanto à intoxicação da recorrente pelos referidos agrotóxicos e que a questão central é saber se o período de 24 horas observado foi suficiente para a efetiva secagem dos agrotóxicos aplicados. O magistrado observou que as bulas dos agrotóxicos fazem alertas para que pessoas não entrem na área em que foi aplicado o produto até a secagem completa da calda, consignando o mínimo de 24 horas após a aplicação.

Eugênio Cesário destacou que, apesar de haver decorrido 10 dias entre a aplicação e a entrada dos trabalhadores no local, o empregador não produziu nenhuma prova acerca da completa secagem dos agrotóxicos que autorizasse a reentrada de empregados na lavoura. “Nesse contexto, entendo que a mera alegação de ter observado um período até superior às 24 horas recomendadas pelos fabricantes dos venenos não ilide a responsabilidade do recorrido”, concluiu. Ele ainda ressaltou que, devido ao grau de toxidade dos referidos produtos, impactando diretamente a saúde das pessoas envolvidas, inclusive com risco de morte, a cautela indica que deve prevalecer a prescrição de segurança constante das bulas de aguardar a secagem completa do produto.

Além disso, o desembargador pontuou que o empregador não forneceu o equipamento de proteção individual (EPI), máscara, imprescindível para evitar a inalação dos produtos tóxicos, como os ministrados nas lavouras, descumprindo norma de saúde e de prevenção de acidentes. No julgamento, o juiz convocado César Silveira, que defendia a não caracterização do dano moral, teve seu voto vencido pelos demais julgadores. Assim, por maioria, a empresa foi condenada a pagar R$ 10 mil de indenização por danos morais.

PROCESSO TRT 18 -PJE-RO - 0010653-64.2016.5.18.0102

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social / TRT18