Voltar

Adolescente aprendiz agredido por colega receberá indenização

A 3ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) condenou a Makro Atacadista S/A a pagar a um jovem aprendiz de 17 anos indenização por dano moral no valor de R$ 10 mil por ter sido agredido com um tapa no rosto por um colega de trabalho. Em primeira instância, o Juizado Especial da Infância e da Adolescência (Jeia) de Campinas julgou improcedente a ação, por entender que não foi possível, "diante da ausência de provas cabais da alegada agressão física, se constatar condutas da empresa que tenham violado os direitos da personalidade do jovem".

Segundo constou dos autos, durante seu contrato de aprendizagem, ele afirmou que foi agredido com um tapa no rosto por um outro empregado, que teria agido "com excesso". A mãe do menor aprendiz, além de ter lavrado Boletim de Ocorrência, comunicou o fato à CIEE, órgão responsável pelo acompanhamento do contrato de aprendizagem, a quem também informou que, em decorrência dos fatos, seu filho "não se sentia mais confortável para continuar no ambiente de trabalho". O aprendiz chegou a ser atendido, por causa desse fato, por um psicólogo.

Episódio

A empresa informou, em sua defesa, que naquele dia o aprendiz se encontrava com um colega no corredor do setor de limpeza na brigada de validade. Enquanto esse colega manuseava um equipamento hidráulico (uma paleteira), o jovem aprendiz tentou retirá-lo de suas mãos, por duas vezes, sem nenhum motivo aparente. Ocorre que, na segunda oportunidade, esse outro trabalhador tentou se desvencilhar do aprendiz, momento em que houve um contato físico entre os dois colaboradores. Ambos foram chamados individualmente pelo chefe de setor, para apuração dos fatos.

Segundo afirmou a empresa, o aprendiz já estava sob acompanhamento pelo chefe de setor e pelo encarregado, devido a atos de indisciplina. Com relação ao outro empregado, que atua desde 4/12/2013 na função de repositor, a empresa aplicou a ele pena de suspensão por um dia, pela discussão com o seu colega de trabalho, e pelo contato físico entre ambos, mas negou que fosse uma agressão.

Na primeira audiência do Jeia, o aprendiz pediu para que a empresa apresentasse a filmagem das câmeras de segurança do dia dos fatos (26/1/2017, período da manhã) para demonstrar os fatos alegados. A empresa, porém, informou que não tinha mais acesso às filmagens porque "as câmaras possuem armazenamento de apenas três meses, sendo que o suposto fato é de janeiro de 2017, passados quase um ano e meio".

Filmagens

De acordo com o relator do acórdão, desembargador José Carlos Abile,"não é crível que uma empresa do seu porte (que ostenta capital social de mais de R$ 649 milhões de reais), que sofreu grave denúncia, inclusive com lavratura de Boletim de Ocorrência no dia dos fatos, no sentido de que um menor de idade foi agredido em suas dependências, não tenha a cautela de guardar a filmagem que poderia resguardar seus direitos e isentá-la de quaisquer responsabilidades", e que por isso "não há como acolher a justificativa em questão".

O acórdão ressaltou que a própria informação da empresa de ter suspenso por um dia o outro empregado que teria dado o tapa no rosto do aprendiz é uma punição que "demonstra que não se tratou de mera discussão". O colegiado afirmou também que, "para ter certeza" de que não houve a agressão, como afirma a empresa, "era necessário o acesso à imagem das câmeras", e que "não foram apresentadas", apesar de determinação do juízo do Jeia. "Na verdade, sem o acesso às imagens, e sem a conversa com os demais empregados presentes naquele momento (que não foi citada em nenhum momento), o argumento do recorrido é apenas mera tese de defesa, desvencilhada de qualquer fundamento", afirmou o acórdão.

Também não há como negar que a única testemunha do aprendiz confirmou os fatos, especialmente quando afirma que presenciou "um bate-boca" entre os dois empregados, e que "um puxava a paleteira de um lado e o outro de outro" até que "ocorreu a agressão, que foi um tapa na cara do adolescente, não tendo sido um esbarrão, nem um soco".
Já o chefe de setor afirmou que "o que aconteceu no corredor foi uma disputa de hidráulico" e "nessa disputa houve escorregão de mão e acabou atingindo o menor". Segundo o chefe de setor, ele "sabe disso porque viu na filmagem da câmera de segurança do corredor de limpeza".

Para o colegiado, o que aconteceu foi um "contato físico bem além do admitido nas relações interpessoais do trabalho, o que confirma que, em virtude de tal envolvimento, o rosto do trabalhador foi atingido", e acrescentou que o fato de o aprendiz ter admitido que "recusou a entrega da paleteira" ao colega e disputou com ele a máquina paleteira, "não autoriza a agressão física desferida".

Conduta

Sobre o aprendiz, o acórdão afirmou que "não se ignora que a conduta do jovem não é compatível com o que se espera de um trabalhador no ambiente de trabalho", mas ressaltou que o jovem "estava justamente em um contrato de aprendizagem, ou seja, exatamente para aprender como se comportar em um ambiente de trabalho, o que exige mais tolerância da empresa e treinamento de seus empregados para que entendam a finalidade de um contrato de aprendizagem e possam acolher, orientar e, se o caso, levar até o setor de Recursos Humanos informações relativas à conduta do menor aprendiz". 

O que não se admite é que, nesse processo de aprendizagem, "o aprendiz seja agredido fisicamente por um outro empregado como forma de punição ou disciplina", salientou o colegiado.

A Câmara concluiu, assim, que "não há dúvida de que o recorrente, no início de sua vida laboral, ao receber um tapa no rosto, desferido por um empregado de 30 anos de idade, em razão de uma disputa por uma máquina, sofreu constrangimento e humilhação". Afirmou que cabe ao empregador dirigir as atividades de seu empregado, impondo, inclusive, normas de conduta e disciplina, sob pena de ser considerada responsável por excessos cometidos no ambiente laboral e que, portanto, não há dúvida sobre o dever de indenizar. Quanto ao valor da indenização, o colegiado, sopesando todos esses fatores, arbitrou à condenação o valor de R$ 10 mil.

Fonte: TRT da 15ª Região (Campinas/SP)


_____________________________________________
Conteúdo de Responsabilidade da DCCSJT
Divisão de Comunicação
Email: comunica@csjt.jus.br
Telefone: (61) 3043-4907