Menu de Navegação

Notícias

null Ausência de pausas para recuperação térmica gera direito a adicional de insalubridade

Trabalhador rural de Goiás pretendia receber os intervalos para recuperação térmica como horas extras, mas só teve direito ao recebimento do adicional de insalubridade.

25/03/2022 - A  Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) manteve sentença que negou o pagamento, como horas extras, das pausas para recuperação térmica previstas nas Normas Regulamentadoras 15 e 31 (NR-31) do Ministério do Trabalho e Previdência. A decisão ocorreu em um recurso ordinário interposto por um trabalhador rural. Ele pretendia receber os intervalos para recuperação térmica como horas extras, parcela distinta do adicional de insalubridade.

A relatora, desembargadora Kathia Albuquerque, observou que o pedido formulado pelo trabalhador se adequava ao anexo 3 da NR-15. Ela pontuou, ainda, que o pedido foi negado com base na Súmula 58 do TRT-GO. Esse enunciado prevê que o trabalho exposto ao agente insalubre calor sem concessão ou com a concessão parcial das pausas previstas no quadro 1 do Anexo 3 da NR-15 não gera direito ao recebimento de horas extras pelo trabalhador, apenas ao recebimento de adicional de insalubridade.

Para a relatora, o laudo pericial usado como prova emprestada concluiu que o trabalhador executava atividades em ambiente insalubre em grau médio. Ela explicou que o trabalhador que se submete a temperaturas superiores àquelas descritas na NR-15 tem direito às pausas, que, sonegadas, poderiam, em tese, resultar em trabalho insalubre, gerando o direito ao respectivo adicional, limitado, todavia, à vigência da Portaria nº 1.359/2019. 

A desembargadora citou jurisprudência do TST que, por meio de sua OJ nº 173, reconhece como pagamento duplicado por causa única a eventual acumulação da insalubridade com as pausas, o que é vedado no ordenamento jurídico. Assim, a relatora negou provimento ao recurso do trabalhador para manter a sentença. A decisão foi unânime.

Processo: 0010556-75.2021.5.18.0171

Fonte: Comunicação Social/TRT-18

Rodapé Responsável DCCSJT